Plataformas digitais, incluindo Google, Facebook, Twitter e WhatsApp aderiram ao Programa de Enfrentamento à Desinformação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em cerimônia em Brasília no dia 22 de outubro deste ano de 2019.

Os representantes das empresas assumiram o compromisso de contribuir com medidas que combatam a disseminação de conteúdos enganosos nas eleições de 2020, as conhecidas fake news.

Atualmente, 40 entidades de diversos setores, desde empresas de tecnologia a meios de comunicação, já fazem parte do projeto.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançará o programa no dia 30 de outubro com cerimônia conduzida pela presidente do Tribunal Superior Eleitoral , ministra Rosa Weber, e contará com a participação de autoridades do Judiciário, do Executivo e do Legislativo.

Como funcionará o Programa de Enfrentamento à Desinformação

As instituições públicas e privadas convidadas e interessadas poderão assinar um termo de adesão ao programa, que tem a finalidade de enfrentar os efeitos negativos provocados pela desinformação à imagem e credibilidade da Justiça Eleitoral, à realização das eleições e aos atores envolvidos no pleito.

“As plataformas desempenham papel fundamental no enfrentamento à desinformação. A existência de limites de imputação da responsabilidade por conteúdos que por ela circulam não afasta a responsabilidade que têm devido ao espaço que ocupam na livre circulação de informações na internet. É importante que essas entidades multipliquem esforços para mitigar os efeitos negativos da desinformação por meio de soluções capazes de rebater essa prática”

Ministra rosa weber

Entre as possíveis providências a serem adotadas por essas plataformas, Rosa Weber sugeriu educar a sociedade sobre o tema e a implantação de ações que ajudem a identificar perfis falsos e automatizados, como os conhecidos “bots”.

“A educação é importante para conscientizar o cidadão de que hoje a internet possibilita a participação no debate público, mas é preciso ter cuidados. A ferramenta existe, mas ela está aí para ser usada de maneira ética”

ministra Rosa Weber

Essas medidas serão tomadas para um melhor enfrentamento de boatos e notícias falsas como ocorrido nas Eleições de 2018, onde a desinformação causou grande embaraço, principalmente pela rápida disseminação que a internet possibilita.


Alício Novaes

Bacharel em Administração de Empresas, entusiasta da tecnologia e propagador da eficiência dos novos meios de comunicação como o Marketing Digital.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *